sábado, 4 de dezembro de 2010

Artrose de Quadril


Artrose de Quadril

  • O que é Artrose do Quadril:

Artrose do quadril é uma doença que ocorre devido a um desgaste/destruição da cartilagem que fica entre os ossos que formam o quadril, que é composto por uma esfera (cabeça do fêmur – osso da coxa) e uma cavidade (acetábulo – osso da bacia), onde a esfera deve se encaixar com perfeição. Entre esses dois ossos existe uma camada de cartilagem recobrindo-os de tal maneira que não permita o contato de osso com osso e facilite o deslizamento entre eles. Quando a cartilagem está preservada, sua espessura é sempre maior que cinco milímetros, sua superfície é lisa e macia e está totalmente banhada pelo líquido sinovial, que é um lubrificante de forma semelhante ao utilizado em engrenagens.
Um tecido fino e liso, chamado membrana sinovial, reveste todas as superfícies restantes da articulação. Em um quadril saudável, esta membrana produz o líquido que lubrifica e elimina a fricção nesta articulação. Normalmente, todas estas partes do seu quadril trabalham em harmonia, permitindo que você se mova facilmente e sem dor.

    





             
            É importante observar que na articulação normal não há dor, porque o contato entre os ossos se dá na região da cartilagem, que não tem nervos. Porém, quando a cartilagem se desfaz, o contato de osso com osso (que tem nervos) é que produz a dor.
            No quadril saudável, onde a cartilagem está preservada, o deslizamento é fácil e ocorre em amplitudes normais e sem dor. Porém, quando há destruição da cartilagem, geralmente aparecem dores e limitações dos movimentos, impedindo o paciente de realizar suas tarefas de rotina. Estas limitações são progressivas e interferem cada vez mais na sua vida.

  • Quem pode ter Artrose do Quadril:

É uma doença que atinge de 5 a 10 % da população e que ocorre com maior freqüência em adultos de meia idade e idosos, principalmente acima de 65 anos. Algumas vezes não apresenta uma causa específica ou conhecida, entretanto, na maior parte dos casos, ela é conseqüência de outras doenças, como defeitos congênitos do quadril, artrite reumatóide, necrose avascular da cabeça femoral, doenças ocorridas na infância e após traumatismos.

  • O que se sente:

Os primeiros sintomas podem ser um leve desconforto na região inguinal (virilha), nádega, coxa ou mesmo no joelho ou alguma rigidez articular (endurecimento da junta). Normalmente a dor piora com atividade física, mesmo que leve, e melhora com repouso.
Com o passar do tempo os sintomas tendem a se intensificar e a dor e a rigidez podem estar presentes mesmo em repouso. Muitas vezes o paciente percebe que está com dificuldade de vestir as meias ou calçar os sapatos. Isto é um sinal de que a cartilagem está cada vez mais fina e irregular. Quando finalmente o tecido cartilaginoso se esgota, o movimento passa a acontecer osso com osso o que é extremamente doloroso. O paciente neste estágio diminui sensivelmente a capacidade de movimentação de rotação, flexão e extensão da bacia e percebe que está cada vez mais limitado nos seus movimentos e que o mancar torna-se evidente.

  • Como se faz o diagnóstico:

A história detalhada do paciente é importante, uma vez que as osteoartroses podem estar relacionadas ao alcoolismo, anemia falciforme, uso prolongado de corticosteróides, atividades físicas de alto impacto, doenças na infância, traumatismos e fraturas do quadril entre outras. O exame físico da articulação coxo-femoral (quadril) demonstra, normalmente, diminuição da mobilidade articular (rotações interna e externa, adução, abdução e flexão) e dor à mobilização passiva do quadril.
O diagnóstico é confirmado através de radiografias que mostram alterações articulares características. Eventualmente, outros exames como cintilografia óssea ou ressonância nuclear magnética podem ser necessários para fazer diagnóstico precoce ou diferencial com outras patologias.

  • Tratamento:

O tratamento da artrose de quadril se divide em: tratamento não cirúrgico e no cirúrgico. A escolha de um ou do outro depende das condições clínicas e sintomatológicas do paciente e dos exames de imagem (radiografia, cintilografia, ressonância magnética, etc).

    • Tratamento não cirúrgico:

      • Programa de Fisioterapia é de extrema valia, principalmente se for realizado por um profissional que domina as técnicas de Terapia Manual.
      • Evitar esportes de alto impacto como futebol, tênis e corridas.
      • Praticar atividades físicas moderadas na piscina como natação ou hidroginástica.
      • Exercitar-se em bicicleta ergométrica sem carga.
      • Diminuir o peso corporal, se necessário.
      • Evitar carregar peso, subir escadas ou ladeiras
      • Utilizar, somente quando houver necessidade e sob prescrição médica, antiinflamatórios não esteróides.




    • Tratamento cirúrgico:

O tratamento cirúrgico está indicado nos estágios avançados da doença. Este estágio é determinado pela dor intensa e diminuição incapacitante da mobilidade do quadril. Em alguns casos a cirurgia indicada é a osteotomia (modificação da posição do fêmur ou da bacia). Mas, na maioria das vezes a artroplastia total do quadril é a cirurgia de eleição e consiste na substituição da articulação por uma prótese. Este procedimento elimina a dor e devolve a mobilidade da articulação.
É importante salientar que apesar dos benefícios que a cirurgia proporciona (alívio da dor e melhora da mobilidade) o paciente deverá continuar evitando esportes de impacto e atividades que sobrecarreguem a prótese, pois o sucesso e a duração da vida útil da cirurgia dependem muito dos cuidados pós-operatórios recomendados pelo médico e pelo fisioterapeuta.


Rx de prótese parcial

Rx de prótese total


  • Como se previne:

A artrose primária (sem causa específica) é de difícil prevenção, uma vez que ela se manifesta insidiosamente em indivíduos saudáveis previamente. Nos pacientes com alguma história de patologia prévia do quadril, todas as medidas citadas no tratamento não cirúrgico devem ser adotadas visando retardar ou mesmo evitar seu aparecimento. Deve-se ressaltar que o alcoolismo, o tabagismo o uso de drogas ilícitas além de corticoterapia por tempo prolongado são fatores de risco evitáveis de necrose avascular da cabeça do fêmur, uma das causadoras de osteoartrose do quadril.



Rafael Rabelo Mendes
Fisioterapeuta

  • Referências Bibliográficas:




2 comentários:

  1. marlen miranda costa30 de maio de 2012 20:14

    boa noite rafael,meu nome e marlene e tenho protese de quadril esq/ e bilateral porem o direito deu pra fazer enxerto osseo,mas o outro so mesmo a protese,graças a deus e a meu medico hoje estou tendo uma vida normal,ainda devido o enxerto atingiu um nervo e foi constatada meralgia parestesica,estou um pouco apreensiva porque meu medico falou que pode ser que mais tarde tenho que colocar prit/ne a direita tambem,estou fazendo hidro e nataçao e somente estes exercicio que uma pessoa que tem protese pode fazer!se vc puder me responder ficarei grata,boa noie e fique com deus!!!!

    ResponderExcluir
  2. MARLENE, VOCÊ PODE CONTINUAR FAZENDO SUA NATAÇÃO E SUA HIDRO, ACONSELHO QUE VOCÊ PROCURE UM FISIOTERAPEUTA PRA TE INDICAR MELHOR, EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO, RESISTÍDO E FORTALECIMENTO SERÁ UMA BOA, E COM AJUDAS DE ACESSÓRIOS COMO A BOLA, THERABAND, SERIA UMA BOA. ESPERO QUE TENHA AJUDADO, ABRAÇOS. (SOU FISIOTERAPEUTA).

    ResponderExcluir